Estrelas descem à terra: do que falamos quando falamos de uma hélice?, 2015 

performance + texto no livro Câmera lenta

O trabalho conjuga a leitura de um texto e imagens projetadas ao vivo. Transformou-se depois em texto impresso no livro Câmera lenta. Foi apresentado em diferentes versões:

- Seminário Poesia e Ação, organização de Flora Süssekind e Tânia Dias, na Casa de Rui Barbosa (26/11/2014)

- Cinema ao vivo, curadoria de Thiago Galelo, na PUC-RJ, setembro de 2015.

 

- Ciclo Em obras, curadoria de Paloma Vidal, no Centro Cultural Midrash-RJ (13/09/2016) 

 

- Centro Cultural Brasil Argentina, a convite da Embaixada do Brasil, em 27/09/2016.

- Semana Acadêmica, organização de Valdir Prigol e Ricardo Cabral Penteado, na UFFS, Chapecó-SC. (10/09/2019)  

 

resumo:

Partindo da experiência de escrita e colagem feita com notícias tiradas do jornal de um acidente aéreo da Malaysia Airlines, este trabalho propõe uma reflexão acerca da ideia de deslocamento, compaginando texto e imagem, narrativa e relato. A hélice, dispositivo usado para esta reflexão, serviria para fazer deslocar, mas também pode paralisar, como numa situação de pânico de avião. Se por um lado vivemos a era do deslocamento – desde o mundo virtual até o intenso tráfego aéreo, tão audível nos sons dos helicópteros e aviões das grandes cidades – sua contrapartida é a impossibilidade de deslocar que está presente, por exemplo, no patrulhamento das fronteiras, no fechamento do espaço aéreo em algumas regiões ou em impedimentos pessoais, como o medo de avião.

imagens do trabalho:

cornu-10

duchamp-roda

5606276-3x2-700x467

701241-9816-it2

images (4)

Titanic's_propellers

IMG_0783

IMG_0769

France forme Joubert Pose he_lice

640px-USS_Churchill_propeller_cropped

20140721__ukraine-crash-site-before2-p1.

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Twitter
  • YouTube